sábado, 24 de abril de 2010

Avôs que mimam demais


Gente, difícil isso hein. Moro com minha mãe, e aff... tanto ela quanto o meu pai, mimam demais a Luana. Estragam pra falar a verdade. Quando preciso chamar a atenção dela ou dar uma bronquinha, eles acham ruim comigo, pior que na frente dela. E ela que não é bobinha nem nada aproveita da situação. Já morei com a minha sogra nunca tive esse tipo de problemas. Não sei mais como lidar com essa situação, já que minha mãe não aceita que eu fale sobre isso. Ela acha que está certa, coisas de vó. Eles amam tanto que exageram, mas eu tento entender, é que as vezes fica complicado. Acredito que muitas já passaram por algo parecido, podem relatar aqui. Até a próxima.

3 Comentários

Luyme disse...

teste

Rita Veronica disse...

Oi muiéééé... Me chamo Rita Verônica, moro em Natal/RN, sou casada e tenho uma filha de 6 anos. Tenho um twitter @ritaveronyca . Eu estaria sendo hipócrita se viesse aqui no seu blog e dissesse que estava aqui por qualquer outro motivo que não fosse o caldeirão...claro que eu e o Brasil inteiro lhe viu hj no Huck e chorou, se emocionou, lhe admirou, enfim...parabéns!!! O fato é que entrei no seu blog e de todas as histórias que vi aqui, muitas se identificaram com o que vivo... Sobretudo o fato de vc morar com sua mãe e sofrer pelas interferências de avôs na criação dos netos... Em 2002 conheci meu marido, em 2003 casamos, no mesmo ano minha filha nasceu - ela se chama Maria Eduarda, meu marido estava desempregado, mas tinha uma renda que recebia da mãe que havia falecido, assim que nossa filha nasceu, o irmão dele deu-lhe um golpe e ficou recebendo a tal renda, mas tudo bem...logo em seguida ele conseguiu um emprego, nessa época morávamos de aluguel, depois que ele ficou sem a renda da mãe, fomos morar com minha mãe, que é separada... no emprego começou a se destacar... e em 2005 fomos morar em Salvador/BA... a cidade é linda, o povo acolhedor, mas enquanto ele trabalhava, eu ainda não tinha conseguido nada por lá, derrepente recebi uma proposta de emprego, mas teria que voltar pra Natal/RN, e assim foi feito, a proposta era boa e se os dois tivessem trabalhando, conseguiríamos comprar nossa casa própria logo logo... voltei para Natal, e ele lá em Salvador, moramos assim por longos dois anos... Fiquei morando com minha mãe e minha filha... depois de 2 anos, ele conseguiu tranferência para Joao Pessoa, era bem mais perto deNatal, mas ainda estaríamos distantes... já iam tranferí-lo para Fortaleza, foi quando ele optou em sair do emprego e tentar a vida aqui em Natal mesmo, conseguiu outro emprego em outra área completamente diferente da que atuava... foi outra fase de adaptação em resumo... Até hj entre morar longe, morar com minha mãe que interfere demais tanto na criação de minha filha como na relação matrimonial entre mim e meu esposo... minha mãe por ser separada, descrer na relação conjugal e fica o tempo todo dizendo que meu casamento não vai perdurar... a interferência foi tanta que meu marido brigou com ela e saiu de casa, hj mora no galpão de uma pequena empresa que montamos aqui, a empresa aos pouco está decolando, mas é um processo muito lento...só Deus e o tempo para nos ajudar... eu moro ainda com minha mãe,, pois tenho minha filha e precisamos passar por cima de nossos princípios em prol do bem estar de nossa princesa... já fiz aniversários em casa, assim como vc, fazendo eu mesma docinhos, decoração, brindes, lancheiras, enfim... já morei longe de meu marido, assim como vc... ainda moro com minha mãe e sofro interferências na criação de minha filha, assim como vc...
Enfim, isso foi só um desabafo... é que me identifiquei muito com suas histórias e sonho tanto como vc, com meu lar... bjs e boa sorte, que Deus esteja sempre em seus caminhos!!!

Anônimo disse...

Oi muiéééé... Me chamo Rita Verônica, moro em Natal/RN, sou casada e tenho uma filha de 6 anos. Eu estaria sendo hipócrita se viesse aqui no seu blog e dissesse que estava aqui por qualquer outro motivo que não fosse o caldeirão...claro que eu e o Brasil inteiro lhe viu hj no Huck e chorou, se emocionou, lhe admirou, enfim...parabéns!!! O fato é que entrei no seu blog e de todas as histórias que vi aqui, muitas se identificaram com o que vivo... Sobretudo o fato de vc morar com sua mãe e sofrer pelas interferências de avôs na criação dos netos... Em 2002 conheci meu marido, em 2003 casamos, no mesmo ano minha filha nasceu - ela se chama Maria Eduarda, meu marido estava desempregado, mas tinha uma renda que recebia da mãe que havia falecido, assim que nossa filha nasceu, o irmão dele deu-lhe um golpe e ficou recebendo a tal renda, mas tudo bem...logo em seguida ele conseguiu um emprego, nessa época morávamos de aluguel, depois que ele ficou sem a renda da mãe, fomos morar com minha mãe, que é separada... no emprego começou a se destacar... e em 2005 fomos morar em Salvador/BA... a cidade é linda, o povo acolhedor, mas enquanto ele trabalhava, eu ainda não tinha conseguido nada por lá, derrepente recebi uma proposta de emprego, mas teria que voltar pra Natal/RN, e assim foi feito, a proposta era boa e se os dois tivessem trabalhando, conseguiríamos comprar nossa casa própria logo logo... voltei para Natal, e ele lá em Salvador, moramos assim por longos dois anos... Fiquei morando com minha mãe e minha filha... depois de 2 anos, ele conseguiu tranferência para Joao Pessoa, era bem mais perto deNatal, mas ainda estaríamos distantes... já iam tranferí-lo para Fortaleza, foi quando ele optou em sair do emprego e tentar a vida aqui em Natal mesmo, conseguiu outro emprego em outra área completamente diferente da que atuava... foi outra fase de adaptação em resumo... Até hj entre morar longe, morar com minha mãe que interfere demais tanto na criação de minha filha como na relação matrimonial entre mim e meu esposo... minha mãe por ser separada, descrer na relação conjugal e fica o tempo todo dizendo que meu casamento não vai perdurar... a interferência foi tanta que meu marido brigou com ela e saiu de casa, hj mora no galpão de uma pequena empresa que montamos aqui, a empresa aos pouco está decolando, mas é um processo muito lento...só Deus e o tempo para nos ajudar... eu moro ainda com minha mãe,, pois tenho minha filha e precisamos passar por cima de nossos princípios em prol do bem estar de nossa princesa... já fiz aniversários em casa, assim como vc, fazendo eu mesma docinhos, decoração, brindes, lancheiras, enfim... já morei longe de meu marido, assim como vc... ainda moro com minha mãe e sofro interferências na criação de minha filha, assim como vc...
Enfim, isso foi só um desabafo... é que me identifiquei muito com suas histórias e sonho tanto como vc, com meu lar... bjs e boa sorte, que Deus esteja sempre em seus caminhos!!!